Jhonata Emerick, co-fundador da DataRisk, afirma que o isolamento social de 70% da população poderia reduzir o número das potenciais mortes na Grande São Paulo para um patamar entre 6 mil e 13 mil vítimas.

O número de pessoas que tem adotado o distanciamento social na Grande São Paulo tem caído dia após dia e baixou para 49%, abaixo da taxa considerada ideal, de 70%, para tentar impedir o avanço rápido da doença. Levando em consideração que apenas metade das pessoas (50%) mantenha a quarentena, ou seja, a manutenção desse cenário, o número de mortos na Grande São Paulo deve ser mais de 20 mil até julho, segundo cálculos da DataRisk, empresa ()

Mais informações: